quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

Terra - Planeta prisão

Prisão: (do latim vulgar prensione, derivado do latim clássico prehensione - ato de prender - pela também vulgar expressão latina presione) designa o ato de prender ou capturar alguém. Por extensão, o conceito também abarca o local onde se mantém o indivíduo preso (quando, então, é sinônimo de claustro, clausura, cadeia, cárcere, xadrez, etc.) e a pena em que há privação completa da liberdade.
A prisão, enquanto lugar de cumprimento de pena restritiva de liberdade, constitui-se de edificação construída com meios os mais diversos para evitar sua fuga ou evasão tais como: paredes grossas e reforçadas, isolamento do meio urbano, grades, cercas, vigilância constante, rigidez de disciplina interna, divisão em celas, etc.

Já comentei aqui no blog que nosso planeta, em última instância, é uma prisão para nós humanos. Algumas correntes espiritualistas definem nosso planeta como de expiações e provas. Contudo, expiar pode ser definido como o ato de se cumprir uma pena visto que a expiação é o sofrimento imposto ou auto imposto em decorrência de ato criminoso ou que provoque arrependimento em quem o cometeu. De maneira análoga, prova, no contexto da categorização da Terra, vem da necessidade de mostrar progresso, de provar o avanço alegado afim de alcançar condição melhor.

Como tudo começou

No universo físico, já vimos aqui como tudo começou, quando os Anunnaki vieram a terra e decidiram criar um trabalhador para minerar o ouro indispensável a Nibiru, seu planeta natal. Mas no nível espiritual, como a coisa toda aconteceu? Como foi para os espíritos que estavam se preparando para a jornada física nesse planeta encarar a difícil missão de constituir uma nova raça que, em sua origem, já surge como escrava? Pode parecer que uma injustiça foi cometida com esses espíritos, mas lembre-se que somos imortais e que os que para cá vieram, já eram bem experimentados e “antigos”. Então, a verdadeira questão a ser respondida é: Por que foi-lhes reservado um destino tão triste?
Voltando ao conceito de prisão, ninguém deve ser encarcerado sendo inocente. Então, que crime cometeram os espíritos para que fossem jogados nessa prisão? Bom, essa é a “pergunta de um milhão de dólares”! A resposta não está acessível a cada um individualmente, devido às próprias “paredes” da prisão que determinam o esquecimento do passado como uma das premissas para o cumprimento da “pena”. Mas existem “indícios”, no nível macro, que podemos utilizar como fonte para algumas reflexões e conclusões a respeito.
Primeiramente, basta olharmos para nossa civilização e perceberemos que nossa humanidade não está presa à toa. O esquecimento não é motivo para desculpar a conduta vil como a humanidade tem tratado a si mesma e ao planeta em que vive. Seja sincero, como você acha que seria nossa conduta caso fosse-nos concedida a liberdade e pudéssemos sair por aí explorando outros planetas? Um ser que é capaz de matar seu semelhante teria algum escrúpulo em matar seres de outras raças? Uma humanidade capaz de destruir o próprio planeta hesitaria em destruir o de outrem? É lógico que não!!! Então, com esse forte argumento em mãos, fica fácil concluir que fomos degredados para cá por não conseguirmos “conviver em sociedade” com outros seres. Cada um de nós que aqui está, com algumas exceções, é claro, foi exilado de algum outro orbe e ficará aqui em quarentena até que consiga se libertar da “selvageria” que predomina em sua conduta, pura e simplesmente.

Os mecanismos de segurança


Confinamento
Como em toda prisão, existem as barreiras, os muros, os dispositivos de segurança. Na nossa prisão planetária também existem os “muros” garantindo que não fujamos. No nível físico, estamos confinados ao planeta, o que já é uma barreira eficaz para evitar a fuga. Não nos é permitido, como espécie, possuir a tecnologia para deixar a Terra e explorar ou colonizar outros planetas. Existem indícios de que o exército americano possui bases em Marte, mas mesmo assim, é algo extremamente restrito e, não tenha dúvida, sobre forte vigilância. Esse confinamento me leva a refletir sobre um assunto muito discutido na internet: Os senhores do mundo. Porque isso? Bem, se a nossa raça sofre esse tipo de controle, quem garante que outras raças com tendências semelhantes não o sofram também? Isso coloca em cheque a questão de que o governo oculto do planeta esteja nas mãos de seres não-humanos, extraterrestre. Mas isso é assunto para um outro post.
No nível espiritual também estamos confinados à Terra. Existe uma barreira energética muito difícil de ser quebrada que nos mantém vibratoriamente ligados ao planeta, perpetuando o confinamento ao nível astral do orbe.

Privação da “vida eterna”


Outro mecanismo de segurança é a privação de gozarmos plenamente de nossa imortalidade. Quando os Anunnaki projetaram adamu, o escravo sob medida, um dos requisitos fundamentais impostos a nós foi a brevidade da vida em contrapartida a longevidade anunnaki. Essa brevidade tem um nível bem mais profundo que somente vida física curta, visto que ao voltarmos ao astral, a maioria de nós continua sem lembrar das existências anteriores e quando reencarnar, esquecerá também a existência atual, inclusive o período no astral. Então, nossa imortalidade é cerceada tanto no físico quanto no astral, contribuindo para que continuemos no confinamento.

Bloqueio de nossos “atributos divinos”

Assim como a imortalidade, os atributos da divindade que fazem parte de nós, como centelhas divinas que somos, também nos foram tirados para que não escapemos dos muros da prisão. No nível físico, muito mais severo é o bloqueio, nos privando de habilidades como telepatia, telecinese, levitação, materialização, etc, etc. Sem essas habilidades, somos mais fáceis de controlar, evitando assim uma “rebelião” no “presidio”.
  
Progressão da pena

Como todo condenado tem a chance de passar para uma pena mais branda, chegou o momento de nossa “avaliação”. Segundo consta a Terra deixará de ser uma prisão muito em breve e cada ser que está aqui poderá passar para o “regime semi-aberto”. Aqueles que continuam impossibilitados do “convívio em sociedade” irão, mais uma vez, sofrer o degredo para uma prisão novinha em outro recanto do vasto universo. Essa é uma boa notícia para os que ficarem aqui. Iremos recuperar alguns atributos perdidos e sairemos do regime de quarentena imposto sobre nós. Isso significa que poderemos visitar e ser visitados por outras civilizações, ter uma vida física mais longa e menos penosa, provavelmente teremos acesso a plenitude de nossas lembranças e nos reconectaremos ao criador através de nosso Eu superior. Acredito que alguns poderão voltar para o planeta de origem (aquele do qual foi exilado e mandado para cá) e continuar a jornada em seu planeta natal.
São momentos muito interessantes o que vivemos agora. Depois de milênios de “cadeia” enfim a liberdade nos espera. Torço para que o maior número possível de humanos gozem desse privilégio. Aos que serão expulsos... só lamento, receberão o que merecem.

Um abraço, rumo a liberdade. 

12 comentários:

  1. Uau!! como é bom encontrar este blog maravilhoso!! acredite ou não, já faz uns dias que eu queria escrever sobre a escravidão nesta matrix em que vivemos..este texto resumiu muito bem o que eu estava pensando ultimamente..parabéns!! te peço licença para postar em meu blog com os devidos créditos do seu ok?! Paz..;)

    ResponderExcluir
  2. Seja Bem-vinda, Viajante Cósmica. Quem bom é para mim ver que a sincronicidade está cada vez mais forte entre os despertos. Isso significa alguma coisa, não é?
    Quando a postar no seu blog, é uma honra para mim você fazer isso. Pode postar tranquila, ok?

    Um abraço

    ResponderExcluir
  3. desde o começo da busca de mim mesma, e do muito que tenho lido e assimilado, aquilo que sinto dentro de mim como verdadeiro, este seu escrito foi o mais verdadeiro que senti em mim!!

    aprisionada me tenho sentido neste planeta sempre, e o tenho expressado muito nos meus blogs, e a leitura do seu texto fez-me compreender, porque o senti como verdade, o porque da minha existência.

    agora, com esta nova assimilação, poderei seguir na busca de mim mesma mas em outra direcção, um novo rumo que foi-me aberto por si, e aqui expresso o meu agradecimento!!

    Abraço

    ñão estando lograr postar meu comentário aqui com meu perfil do Google, posto como anónimo sendo eu sua recente seguidora YUKIEE

    ResponderExcluir
  4. Oi Yukiee. Fico muito contente que este texto tenha tocado em você de uma maneira tão profunda. A busca com certeza deve fazer parte de nossa caminhada neste pequeno planeta azul. Agradeço sua visita e me sinto honrado com isso.

    Fique na paz.

    ResponderExcluir
  5. Esclarecedor e tanto. Muito grata pelo post. Paz e alegrias.

    ResponderExcluir
  6. Eu que agradeço sua visita, Anna. Seja sempre bem-vinda.

    ResponderExcluir
  7. Deparei hoje com teu blog e esse texto q de maneira sucinta explica q esta planeta é na realidade uma prisão! Sinto isso, sempre vi esse mundo e essa vida com uma espécie de prisão. E acho sim que está se aproximando o momento da soltura de alguma amarras. Mas não tenha dúvidas! Nossos inimigos e aqueles q não nos perdoam por erros do passado tudo fazem para impedir essa nossa "salvação". Os ataques espirituais de toda ordem aumentam muito hoje em dia, assim como um chamamento para o egoísmo e o hedonismo, o que pode confundir muitas almas e levá-las a se perderem nesta última hora da separação do "joio do trigo", fazendo com q não consigam "ascender" e permaneçam na prisão 3D aqui mesmo ou em outros mundos! Por isso, todo o cuidado é pouco e devemos vigiar nossos pensamentos sempre, sem falar nas ações. Selvino Salvador/Bh

    ResponderExcluir
  8. Em primeiro lugar, bom dia. Muito interessante a a matéria escrita no blog e há muito tempo venho buscado essa definição dita de um jeito simples, inteligente e direto. É muito difícil conversar sobre esse assunto de forma clara porque as pessoas sempre misturam religião (o que na minha opinião é uma das formas de controle que dificulta assim como tb controla as pessoas, mas aí é uma outra história)

    A dúvida que eu gostaria de tirar com vc é : essa nova era comentada no texto seria a Nova Ordem Mundial ?

    ResponderExcluir
  9. Desculpe, esqueci de postar a dúvida que, com certeza é muito mais importante que minha pergunta anterior, sendo esta a que (no meu ver) realmente importa :

    Como um espírito preso neste planeta se liberta ? Vc comentou no post sobre uma nova era estar à caminho e isso ser um caminho/alternativa de libertação, mas saberia me dizer se existem outras ? Acredito que simplesmente acordar da Matrix não é o suficiente para que se liberte daqui, mas sim sim somente que isso seja tomar tomar consciência de que vivemos em uma prisão.

    Se puder, tb, me passar referências (links, livros, etc) sobre esta questão eu agradeceria, e MUITO :-)

    Obrigado,

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Alessandro. A resposta a essa pergunta é bem simples: Deixar a centelha divina que está dentro de você tomar de conta do seu ser. Isso significa colocar o Ego de lado e deixar a centelha trabalhar. Fazendo isso, você permite que O Todo, O Criador, possa agir através da centelha dentro de você. É aquela antiga frase do Pai nosso: "Seja feita a Tua vontade". Como fazer isso? Dando ouvido àquela vozinha que fala dentro da sua cabeça sempre que você se vê em uma situação onde tem que fazer uma escolha. Ouça a voz e deixe de questionar com a sua razão.
      Espero tê-lo ajudado, amigo.

      Um abraço.

      Excluir
  10. Olá Cláudio. Então, entendi. Mas gera consequentemente uma dúvida : se o ego é um "rival" desta centelha de nosso ser, seria isso então uma forma de gerar obstáculo e não permitir que nós libertemos ? E se assim for, o sistema e vida que vivemos ser um agente constante para com cada um de nós para que não acordemos ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Na verdade o ego não é um rival, Alessandro, ele é muito útil. Tem um post onde falei disso e que pode te ajudar: http://aquelequebuscaverdade.blogspot.com.br/2011/01/desperto-ou-dormindo.html Espero que te ajude

      Excluir